27 de set de 2010

Infância




Quando parei um minuto pra pensar sobre o que escrever para este tema, logo conclui que infância é sinônimo de saudade.
Saudade de um tempo bom que não volta mais, quando tudo tinha mais cheiro e o mundo tinha mais cores.
Saudades dos sonhos de criança, dos mundos de fantasia, dos amigos imaginários e das cores flutuantes...
Saudades das férias de dezembro, dos banhos de chuva, do cheiro da terra molhada...
Saudade de um tempo em que eu era feliz e não sabia...
Leia também:

13 de set de 2010

Loucura



Nessa estrada tortuosa persisto a me iludir
Como um eterno cego vagante
Por vezes é muito fácil cair
Sigo aos trancos sem nada enxergar
Neste escuro tormento, parei-me um instante
Quando ouvi você chorar

Garoto solidão, seu olhar me disse tudo
Vi dor em sua alma e o que tem no coração
Trás no rosto olhos insanos e um sorriso mudo
Está muito mais preso do que seguro
Quando em volta de ti construiu
Esse tão alto e forte muro

Garoto solidão, também tão só me sinto
Nesta infinita e louca jornada
Sigo como um animal a ser extinto
Sei que é difícil ser o que não se é
E muito mais difícil não ser o que é
E fácil, prosseguir, também não é

Desculpe por não saber a verdade
Nem quando isso começa ou acaba
Não sei o que é realidade
E pra seguir neste caminho perdido, só nos resta o desejo
E contra a nossa loucura, meu amigo
Você me protege e eu te protejo



Leia também:
www.milacg.blogspot.com
www.terceirotres.blogspot.com
www.pedrascolor.blogspot.com
www.ssaroquinhaa.blogspot.com

6 de set de 2010

Tempo, como defini-lo?

Como definir o tempo? Não sei como defini-lo.
É um viajante oculto, eternamente disfarçado, não podemos defini-lo
Às vezes destrói sem piedade, às vezes ajuda a curar, impondo-nos a paciência.
Por muitas vezes passa depressa, quando queremos que ele seja lento, já por outras, dura uma eternidade quando queremos que seja rápido.
Não está vivo nem morto. É um representante do eterno movimento e equilíbrio, como nascimento, vida, morte e renascimento
Só sei que na verdade o futuro não existe, e o que vivemos agora é o presente, que dura apenas um segundo, e o que só temos mesmo de concreto é o passado.
Assim sendo, o futuro se torna apenas uma projeção do que queremos que ele seja, para possivelmente vir a ser presente, que é algo que podemos sentir viver e transformar, mas não podemos guardar ou congelar, no entanto só nos resta o passado, que podemos carregar e que pode nos ensinar e inspirar, mas que ao mesmo tempo devemos deixar para trás.
Enfim, se você é o que você faz de si mesmo. Se somos o que fazemos de nós mesmos, devemos nos preocupar sobre o que fazer de nos mesmos, o que projetar em nosso futuro e fazer acontecer em nossas vidas presentes. Devemos manter nossa mente e consciência presente como um grande instrumento a favor da realização do futuro e não deixar que se transforme em um deposito de lembranças passadas.







Leia também:
www.milacg.blogspot.com
www.terceirotres.blogspot.com
www.pedrascolor.blogspot.com
www.ssaroquinhaa.blogspot.com