25 de abr de 2010

Libertação




Solidão
Infinito ódio
Infinito desespero
Neste grande abismo de sua alma
Procure se confortar
Não te adinata fugir
O vazio te persegue
Tudo cairá
Tudo se destruirá
Tudo volta ao caos
Permita-se sentir isso

Busque sua essência
Sinta o frio e a dor
Sinta o ódio
Sinta sua força
Permita-se envolver
Essa é sua verdadeira forma
Sua verdadeira força
Incorpore o vazio dentro de você
Vê como tudo fica diferente?
Como é bom aqui...
Como se senti mais forte...
Como é grande seu poder...
Como, tudo, você pode...

De suas tristezas faça suas alegrias
Da angútia faça sua armadura
Com o ódio faça seu escudo
Da mais terríel dor faça suas armas
Com os seus desejos trace seu caminho
Busque apenas o seu prazer
Somente o que você quer
Liberte-se
E viva! Você renasceu



11 de abr de 2010

Último dia.



“Hoje será seu ultimo dia...” lhe dissera o medico.
A doença já havia se espalhado por todo o seu corpo, afetando o cérebro, já fora um milagre ter despertado para mais um dia “... muito provavelmente hoje ao adormecer você não mais despertará... encerrou o medico antes de sair.
Enfim chegara o ultimo dia de sua vida...
De uma existência medíocre e sem sentido... O fim do sonho de mau gosto... O fim do nada!
Já passara da meia idade e ainda não havia entendido o propósito da “vida”... Disso! Sentia-se como um alienígena vivendo no planeta errado, na época errada e no tempo errado. Alguma vez já havia pensado em saltar desde barco? Claro! Sempre. Certa vez alguém, que já não se lembrava mais quem, havia lhe perguntado “O que ainda te prende aqui?” A resposta? Não se lembrava mais, se é que houve alguma, se é que há alguma. Mesmo assim nunca tivera a coragem suficiente de saltar de vez do barco, embora ficasse sempre na duvida se coragem fosse mesmo preciso para saltar ou para permanecer velejando ate que esse barco se explodisse? Mas hoje era o ultimo dia, ultimo dia de prisão, depois seria livre... Será?
De qualquer forma, se tinha uma coisa que odiava era esperar, por isso não ia ficar em casa esperando, queria fazer algo para contribuir, matar o tempo... Não que fosse fazer algo diferente do seu cotidiano, pois se fosse fazer coisas diferentes por estar perdendo a “vida” teria feito antes então, quando tinha tempo “imenso” para isso Saiu!
... Horas mais tarde voltou exausto, porem extasiado, radiante, chorava e ria ao mesmo tempo, se encantava com o som do próprio riso e do próprio choro...
Vivo e feliz passou sua ultimas horas...
Seus últimos minutos...
Últimos segundos...
3,
2,
1.


NO DIA SEGUINTE
Uma nota do jornal local dizia:
...enfim foi um sucesso a bazar beneficente na praça da igreja matriz, a fundação conseguiu arrecadar uma boa soma em dinheiro, alimentos e outras doações. Tudo ocorreu perfeitamente bem, exceto por um caso curioso, um homem, não identificado, acabou dando um susto nas pessoas que estavam no local. Ao ser abordado por uma garotinha que estava em uma das barracas, o homem gritou, começou a chorar e em seguida disparou a correr derrubando a tudo e a todos que estavam a sua frente. Identificamos a garota, de 10 anos, que chamaremos apenas de Maria, e perguntamos o que de fato houve com o homem.
“Ele estava passando e eu o abordei pedindo uma contribuição, como estava fazendo com todos” Disse Maria. “Ele me disse que não tinha dinheiro para dar, então falei que se quisesse poderia ajudar nas barracas. Ele me respondeu que não tinha tempo para perder com bobagens”
“Eu lhe agradeci assim mesmo e desejei boa sorte no que fosse fazer de tão importante e que aproveitasse bem o dia, como eu aproveitaria o meu. Ele ficou me olhando um tempo com cara de bobo e depois saiu correndo, foi só”

2 de abr de 2010

Corintios 13



1 Ainda que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos, e não tivesse amor, seria como o metal que soa ou como o címbalo que retine.

2 E ainda que tivesse o dom de profecia, e conhecesse todos os mistérios e toda a ciência, e ainda que tivesse toda fé, de maneira tal que transportasse os montes, e não tivesse amor, nada seria.
3 E ainda que distribuísse todos os meus bens para sustento dos pobres, e ainda que entregasse o meu corpo para ser queimado, e não tivesse amor, nada disso me aproveitaria.
4 O amor é sofredor, é benigno; o amor não é invejoso; o amor não se vangloria, não se ensoberbece,
5 não se porta inconvenientemente, não busca os seus próprios interesses, não se irrita, não suspeita mal;
6 não se regozija com a injustiça, mas se regozija com a verdade;
7 tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.
8 O amor jamais acaba; mas havendo profecias, serão aniquiladas; havendo línguas, cessarão; havendo ciência, desaparecerá;
9 porque, em parte conhecemos, e em parte profetizamos;
10 mas, quando vier o que é perfeito, então o que é em parte será aniquilado.
11 Quando eu era menino, pensava como menino; mas, logo que cheguei a ser homem, acabei com as coisas de menino.
12 Porque agora vemos como por espelho, em enigma, mas então veremos face a face; agora conheço em parte, mas então conhecerei plenamente, como também sou plenamente conhecido.
13 Agora, pois, permanecem a fé, a esperança, o amor, estes três; mas o maior destes é o amor.
Corintios 13