13 de out de 2010

Ser humano

Será que fui humano?
Será que sou ou algum dia serei?
Me faço em mil pedaços...
Me lanço, me jogo me reinvento
Mas não me entendo...
Das criaturas a mais nobre
Que respira que pulsa e que pensa...
Que sofre que sonha e que ama
A criatura sublime
O ser divino!
Das criaturas a mais atroz
Que mente que rouba e que destrói...
Que maltrata que fere e que mata
O protótipo imperfeito
O brinquedo com defeito
O que sou eu?
Nesta interminável dança de existências
Eternamente acorrentado
Neste universo que me é tão indiferente
Que não me acolhe e tampouco me rejeita
Será que fui humano?
Será que sou ou algum dia serei?
Enfim, o que é ser humano?



Leia também:
www.milacg.blogspot.com
www.terceirotres.blogspot.com
www.pedrascolor.blogspot.com
www.ssaroquinhaa.blogspot.com


(PS: Desculpem o atrazo...semana de provas!!! Ufa!!!)

27 de set de 2010

Infância




Quando parei um minuto pra pensar sobre o que escrever para este tema, logo conclui que infância é sinônimo de saudade.
Saudade de um tempo bom que não volta mais, quando tudo tinha mais cheiro e o mundo tinha mais cores.
Saudades dos sonhos de criança, dos mundos de fantasia, dos amigos imaginários e das cores flutuantes...
Saudades das férias de dezembro, dos banhos de chuva, do cheiro da terra molhada...
Saudade de um tempo em que eu era feliz e não sabia...
Leia também:

13 de set de 2010

Loucura



Nessa estrada tortuosa persisto a me iludir
Como um eterno cego vagante
Por vezes é muito fácil cair
Sigo aos trancos sem nada enxergar
Neste escuro tormento, parei-me um instante
Quando ouvi você chorar

Garoto solidão, seu olhar me disse tudo
Vi dor em sua alma e o que tem no coração
Trás no rosto olhos insanos e um sorriso mudo
Está muito mais preso do que seguro
Quando em volta de ti construiu
Esse tão alto e forte muro

Garoto solidão, também tão só me sinto
Nesta infinita e louca jornada
Sigo como um animal a ser extinto
Sei que é difícil ser o que não se é
E muito mais difícil não ser o que é
E fácil, prosseguir, também não é

Desculpe por não saber a verdade
Nem quando isso começa ou acaba
Não sei o que é realidade
E pra seguir neste caminho perdido, só nos resta o desejo
E contra a nossa loucura, meu amigo
Você me protege e eu te protejo



Leia também:
www.milacg.blogspot.com
www.terceirotres.blogspot.com
www.pedrascolor.blogspot.com
www.ssaroquinhaa.blogspot.com

6 de set de 2010

Tempo, como defini-lo?

Como definir o tempo? Não sei como defini-lo.
É um viajante oculto, eternamente disfarçado, não podemos defini-lo
Às vezes destrói sem piedade, às vezes ajuda a curar, impondo-nos a paciência.
Por muitas vezes passa depressa, quando queremos que ele seja lento, já por outras, dura uma eternidade quando queremos que seja rápido.
Não está vivo nem morto. É um representante do eterno movimento e equilíbrio, como nascimento, vida, morte e renascimento
Só sei que na verdade o futuro não existe, e o que vivemos agora é o presente, que dura apenas um segundo, e o que só temos mesmo de concreto é o passado.
Assim sendo, o futuro se torna apenas uma projeção do que queremos que ele seja, para possivelmente vir a ser presente, que é algo que podemos sentir viver e transformar, mas não podemos guardar ou congelar, no entanto só nos resta o passado, que podemos carregar e que pode nos ensinar e inspirar, mas que ao mesmo tempo devemos deixar para trás.
Enfim, se você é o que você faz de si mesmo. Se somos o que fazemos de nós mesmos, devemos nos preocupar sobre o que fazer de nos mesmos, o que projetar em nosso futuro e fazer acontecer em nossas vidas presentes. Devemos manter nossa mente e consciência presente como um grande instrumento a favor da realização do futuro e não deixar que se transforme em um deposito de lembranças passadas.







Leia também:
www.milacg.blogspot.com
www.terceirotres.blogspot.com
www.pedrascolor.blogspot.com
www.ssaroquinhaa.blogspot.com

29 de ago de 2010

Reforma Íntima

Num momento de introspecção
Percebo que ja é tempo de repelir
Essa estranha auto-compaixão
Que me impulsa a somente existir

É tempo de buscar a ascensão pessoal
Repensar valores e renovar
Interiorizar o bem em troca do mal
Uma reforma íntima começar

É tempo de evoluir, de transformar
De sacrificar o que sou pelo o que poderei ser
Ainda que seja possivel, que quanto mais me olhar
Menos intimamente eu possa me conhecer




Desafio dos blogueiros Part II... srsr


leia também:
www.milacg.blogspot.com
www.terceirotres.blogspot.com
www.pedrascolor.blogspot.com
www.ssaroquinhaa.blogspot.com

30 de jul de 2010

O que você faz?

O que você faz?
Quando a felicidade evanesce...
O amor se acaba...
E o que acontece?
Quando o sonho se perde,
E a luz se apaga?

E o que você faz?
Quando a vida é incerta...
O caminho é escuro...
E o que acontece?
Quando a ferida é aberta,
E o coração fica duro?

E o que você faz?
Quando o frio é violento...
A alma enegrece...
E o que acontece?
Quando o vazio é intenso,
E o desejo apodrece?

27 de mai de 2010

Sacrifício


O que você acha do mundo e da realidade
Não pode mudar o mundo e a realidade
Mas pode mudar a sua vida
Esqueça o que você acha
Procure realizar
Sacrifique-se
Nada é de graça e tudo tem recompensa
Você vai perceber que pregos e coroas de espinhos
Fazem parte do show

7 de mai de 2010

...Recomeçar


Era uma noite encantada
Uma noite fria
Uma noite suja
De céu estrelado
De nuvens carregadas
E uma criatura vinha...
Que me deixou enamorado
Me deixou horrorizado


De repente você surge
Cheio de belas flores
Meu coração se esconde
Sua boca era mágica
A voz doce fazia
Empurrou-me sua angústia
Atirou-me o seu ódio
Ofereceu-me sua alma
Doou-me o seu amor
Tomou minha vida
Entrou em meu ser


Sinto-o em meu abraço
Mil agulhas atravessam o meu corpo
Teus beijos calorosos
Tudo queima dentro de mim
Sua voz ao meu ouvido
Algo arranca minha pele
Seu corpo junto ao meu
Uma fria lâmina atravessa meu coração
E você não está...
Não é...
E nunca será...
Um sonho doce e profundo
O meu anjo negro
Minha ilusão
Ainda que não o suporte mais
Meu karma, meu vício
Nunca desisto de recomeçar...




25 de abr de 2010

Libertação




Solidão
Infinito ódio
Infinito desespero
Neste grande abismo de sua alma
Procure se confortar
Não te adinata fugir
O vazio te persegue
Tudo cairá
Tudo se destruirá
Tudo volta ao caos
Permita-se sentir isso

Busque sua essência
Sinta o frio e a dor
Sinta o ódio
Sinta sua força
Permita-se envolver
Essa é sua verdadeira forma
Sua verdadeira força
Incorpore o vazio dentro de você
Vê como tudo fica diferente?
Como é bom aqui...
Como se senti mais forte...
Como é grande seu poder...
Como, tudo, você pode...

De suas tristezas faça suas alegrias
Da angútia faça sua armadura
Com o ódio faça seu escudo
Da mais terríel dor faça suas armas
Com os seus desejos trace seu caminho
Busque apenas o seu prazer
Somente o que você quer
Liberte-se
E viva! Você renasceu



11 de abr de 2010

Último dia.



“Hoje será seu ultimo dia...” lhe dissera o medico.
A doença já havia se espalhado por todo o seu corpo, afetando o cérebro, já fora um milagre ter despertado para mais um dia “... muito provavelmente hoje ao adormecer você não mais despertará... encerrou o medico antes de sair.
Enfim chegara o ultimo dia de sua vida...
De uma existência medíocre e sem sentido... O fim do sonho de mau gosto... O fim do nada!
Já passara da meia idade e ainda não havia entendido o propósito da “vida”... Disso! Sentia-se como um alienígena vivendo no planeta errado, na época errada e no tempo errado. Alguma vez já havia pensado em saltar desde barco? Claro! Sempre. Certa vez alguém, que já não se lembrava mais quem, havia lhe perguntado “O que ainda te prende aqui?” A resposta? Não se lembrava mais, se é que houve alguma, se é que há alguma. Mesmo assim nunca tivera a coragem suficiente de saltar de vez do barco, embora ficasse sempre na duvida se coragem fosse mesmo preciso para saltar ou para permanecer velejando ate que esse barco se explodisse? Mas hoje era o ultimo dia, ultimo dia de prisão, depois seria livre... Será?
De qualquer forma, se tinha uma coisa que odiava era esperar, por isso não ia ficar em casa esperando, queria fazer algo para contribuir, matar o tempo... Não que fosse fazer algo diferente do seu cotidiano, pois se fosse fazer coisas diferentes por estar perdendo a “vida” teria feito antes então, quando tinha tempo “imenso” para isso Saiu!
... Horas mais tarde voltou exausto, porem extasiado, radiante, chorava e ria ao mesmo tempo, se encantava com o som do próprio riso e do próprio choro...
Vivo e feliz passou sua ultimas horas...
Seus últimos minutos...
Últimos segundos...
3,
2,
1.


NO DIA SEGUINTE
Uma nota do jornal local dizia:
...enfim foi um sucesso a bazar beneficente na praça da igreja matriz, a fundação conseguiu arrecadar uma boa soma em dinheiro, alimentos e outras doações. Tudo ocorreu perfeitamente bem, exceto por um caso curioso, um homem, não identificado, acabou dando um susto nas pessoas que estavam no local. Ao ser abordado por uma garotinha que estava em uma das barracas, o homem gritou, começou a chorar e em seguida disparou a correr derrubando a tudo e a todos que estavam a sua frente. Identificamos a garota, de 10 anos, que chamaremos apenas de Maria, e perguntamos o que de fato houve com o homem.
“Ele estava passando e eu o abordei pedindo uma contribuição, como estava fazendo com todos” Disse Maria. “Ele me disse que não tinha dinheiro para dar, então falei que se quisesse poderia ajudar nas barracas. Ele me respondeu que não tinha tempo para perder com bobagens”
“Eu lhe agradeci assim mesmo e desejei boa sorte no que fosse fazer de tão importante e que aproveitasse bem o dia, como eu aproveitaria o meu. Ele ficou me olhando um tempo com cara de bobo e depois saiu correndo, foi só”

2 de abr de 2010

Corintios 13



1 Ainda que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos, e não tivesse amor, seria como o metal que soa ou como o címbalo que retine.

2 E ainda que tivesse o dom de profecia, e conhecesse todos os mistérios e toda a ciência, e ainda que tivesse toda fé, de maneira tal que transportasse os montes, e não tivesse amor, nada seria.
3 E ainda que distribuísse todos os meus bens para sustento dos pobres, e ainda que entregasse o meu corpo para ser queimado, e não tivesse amor, nada disso me aproveitaria.
4 O amor é sofredor, é benigno; o amor não é invejoso; o amor não se vangloria, não se ensoberbece,
5 não se porta inconvenientemente, não busca os seus próprios interesses, não se irrita, não suspeita mal;
6 não se regozija com a injustiça, mas se regozija com a verdade;
7 tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.
8 O amor jamais acaba; mas havendo profecias, serão aniquiladas; havendo línguas, cessarão; havendo ciência, desaparecerá;
9 porque, em parte conhecemos, e em parte profetizamos;
10 mas, quando vier o que é perfeito, então o que é em parte será aniquilado.
11 Quando eu era menino, pensava como menino; mas, logo que cheguei a ser homem, acabei com as coisas de menino.
12 Porque agora vemos como por espelho, em enigma, mas então veremos face a face; agora conheço em parte, mas então conhecerei plenamente, como também sou plenamente conhecido.
13 Agora, pois, permanecem a fé, a esperança, o amor, estes três; mas o maior destes é o amor.
Corintios 13

30 de mar de 2010

saudade...


Saudade de um tempo que nunca vivi,
De lugares onde nunca estive.
Saudade de momentos que nunca tive,
De pessoas que nunca conheci.
Saudade de uma época que nunca presenciei,
De sentimentos que nunca senti.

Apesar de ainda não te conhecer, sinto sua falta...

17 de mar de 2010

Alma nua



Sentimentos misturados
Turvam-me a visão.
Ouço vozes que não minhas.
Risos que não são meus...
Renuncio a mim mesmo,
já não sei quem fui,
Quem serei...
E nem me importa.
Estrangeiro em minha própria
terra, ando em silencio...
Por trilhas que levam
a lugar algum.
Sigo...
Sem deixar vestígios...
Contorno os rabiscos
Desenhados pelas ondas
que lambem a areia...
E caminho desenhando
Aleatoriamente
Figuras desconexas...
Assim...
Assim livre...
Assim, sem compromisso,
Assim, sem pressa...
Assim, sem volta,
Pés descalços...
Alma nua...

Gloria Salles

10 de mar de 2010

Rifa-se um coração.


Rifa-se um coração

Rifa-se um coração quase novo.
Um coração idealista.
Um coração como poucos.
Um coração à moda antiga.
Um coração moleque que insiste
em pregar peças no seu usuário.

Rifa-se um coração que na realidade está um
pouco usado, meio calejado, muito machucado,
e que teima em alimentar sonhos e, cultivar ilusões.
Um pouco inconseqüente que nunca desiste de acreditar nas pessoas.
Um leviano e precipitado coraçãoque acha
Tim Maia estava certo quando escreveu...
“... não quero dinheiro, eu quero amor sincero,é isso que eu espero...".
Um idealista... Um verdadeiro sonhador...

Rifa-se um coração que nunca aprende.
Que não endurece, e mantém sempre viva
a esperança de ser feliz, sendo simples e natural.
Um coração insensato que comanda o racional
sendo louco o suficiente para se apaixonar.
Um furioso suicida que vive procurando
relações e emoções verdadeiras.

Rifa-se um coração que insiste
em cometer sempre os mesmos erros.
Esse coração que erra, briga, se expõe.
Perde o juízo por completo em nomede causas e paixões.
Sai do sério e, às vezes revê suas posições
arrependido de palavras e gestos.
Este coração tantas vezes incompreendido.
Tantas vezes provocado.
Tantas vezes impulsivo.

Rifa-se este desequilibrado emocional que abre sorrisos
tão largos que quase dá pra engolir as orelhas,
mas que também arranca lágrimase faz murchar o rosto.
Um coração para ser alugado,ou mesmo
utilizado por quem gosta de emoções fortes.
Um órgão abestado indicado apenas
para quem quer viver intensamente
contra indicado para os que apenas
pretende passar pela vida matando o tempo,
defendendo-se das emoções.

Rifa-se um coração tão inocente
que se mostra sem armadurase deixa louco o seu usuário.
Um coração que quando parar de bater ouvirá o seu usuário
dizer para São Pedro na hora da prestação de contas:
“O Senhor pode conferir. Eu fiz tudo certo,
só errei quando coloquei sentimento.
Só fiz bobagens e me dei mal
quando ouvi este louco coração de criança
que insiste em não endurecer e, se recusa a envelhecer"

Rifa-se um coração, ou mesmo troca-se
por outro que tenha um pouco mais de juízo.
Um órgão mais fiel ao seu usuário.
Um amigo do peito que não maltrate tanto o ser que o abriga.
Um coração que não seja tão inconseqüente.

Rifa-se um coração cego, surdo e mudo,
mas que incomoda um bocado.
Um verdadeiro caçador de aventuras
que ainda não foi adotado,
provavelmente, por se recusar a cultivar ares selvagens ou racionais,
por não querer perder o estilo.

Oferece-se um coração vadio, sem raça, sem pedigree.
Um simples coração humano.
Um impulsivo membro de comportamento até meio ultrapassado.
Um modelo cheio de defeitos que, mesmo estando fora do mercado,
faz questão de não se modernizar,
mas vez por outra, constrange o corpo que o domina.
Um velho coração que convence seu usuário a publicar seus segredos
e a ter a petulância de se aventurar como poeta



*Clarice Lispector*

5 de mar de 2010

refletindo...



Curioso como as pessoas podem ser estranhas de momentos em momentos.

Tenho uma enorme dificuldade para fazer novos amigos, iniciar conversas, conhecer gente nova e etc. Por outro lado, os amigos já conquistados, levo-os para sempre comigo, estando por perto ou não.
Sabem aquelas pessoas que passam despercebidas, que aparentam não serem interessantes, falam pouco, sempre o necessário, porem observam tudo? Pois bem, acho que sou uma delas.
Muitas pessoas me dizem que sou introspectivo, fechado, calado de mais, que crio barreiras ou qualquer coisa do tipo, ate mesmo “misterioso”, que por sinal é uma palavra que passei o odiar. Mas eu não creio que seja esse o caso. Acredito ser uma pessoa que busca dar importância somente ao que é de valor, dos atos sutis e verdadeiros, de sentimentos a flor da pele, alias para entender o que escrevo, para me entender, não basta somente saber ler é preciso ir muito mais alem do saber sentir. É por isso que eu espero e procuro... Pessoas leitoras de olhares, sensíveis às vibrações da alma. Pessoas que consigam me tocar... Complicado? Também acho...
Mas devo confessar que por conta desta mesma questão, às vezes acabo deixando passar muitas coisas, deixando principalmente de falar muitas coisas, pensando estar me expressando por cada parte do meu ser... Enfim, palavras são muito necessárias às vezes... Palavras, palavras e mais palavras.
Amigos. Os poucos que conseguem me ver por trás das “barreiras” e das superficialidades do dia-a-dia. Estes poucos que trazem alegrias, me fazem sofrer, chorar, rir e por vezes ate desacredito das coisas que aprontam! Hehe.
Mas o que importa mesmo é que eles fazem me sentir Amigo.
Tenho pensado, do mesmo modo que me sacrificaria pelos meus amigos, à recíproca também seria bem justa... Não? Uma cobrança natural da amizade. Mas seria um erro de minha parte, pensar que todos definem a amizade e a cultivam da mesma forma que eu (confesso que já fiz isso), e por isso mesmo, alguns acabam se perdendo no caminho.
É! Isso é a vida. E para cada porta de amizade que fechamos sofridamente, por incrível que pareça, sempre há pequenas surpresas esperando por detrás de outras portas que jamais sonhamos em abrir.
As pessoas são diferentes, muito diferentes, e serão sempre. Cada qual com seus conceitos, visões, experiências e opiniões diferentes. Enfim, creio que por vezes me faltou um pouco mais de atenção á essa questão... Aprender a lidar melhor com isso e conseqüentemente manter sempre do meu lado os Amigos de verdade.

28 de fev de 2010

Mudanças


Travessia


Há um tempo em que é preciso abandonar as roupas usadas que já tem a forma do nosso corpo; E esquecer os nossos caminhos que nos levam sempre aos mesmos lugares. É o tempo da travessia... E se não ousarmos fazê-la, Teremos ficado, para sempre, à margem de nós mesmos."

(Fernando Pessoa)


Só complementando...

Enfim começou 2010...
E que venham as mudanças...
Casa nova...
Trabalho novo...
Novas conquistas...
Novos desafios...
Novos amigos...
Bons momentos com os amigos já queridos...
Novas paixões...
Uma nova e determinada forma de encarar a vida...
Enfim... Que venham as mudanças!

21 de fev de 2010

Yin/Yang


Não resisti...este sim será o ultimo...



- Você pode, por favor, calar essa sua boca? Não agüento mais esse seu chororô na minha cabeça.
- Não vê que estou sofrendo? Meu coração esta em pedaços...
- Pedaços? Ora homem, seu coração esta muito bem e você me parece muito bem também. Se não parar com isso eu vou embora!
- Seu grosso insensível!
- Você que é um imbecil, um fraco, fica fazendo draminha por qualquer coisa, até por coisa que valem à pena.
- Você que é um idiota, frio e indiferente que não gosta de nada, nem de si mesmo.
- Não mesmo!
- Nunca gostou de ninguém. Nunca amou e nem vai amar.
- Aí que você se engana, meu amigo. Amei e ainda amo muito.
- E quem poderia ser?
- Você.
- Me ama? Está louco! Acabou de me esculachar, me chamou de fraco...
- Amo-te justamente por isso. Por ser diferente de mim, por me equilibrar.
- Diferentes somos mesmo!
- Amo-te por sua sensibilidade, pela sua generosidade, pela sua bondade e principalmente por sua capacidade de amar a outros.
- Bom! Assim vou ter que acabar confessando que também te amo. Admiro sua força, sua coragem, sua fé, seu autocontrole e determinação, e por vezes ate sua ousadia.
- Então ame somente a mim e pare de sofrer.
- E quanto a minha capacidade de amar outras pessoas?
- Pois é! Agora você me pegou...
- Bom! Você poderia ficar, e seguiríamos juntos, como sempre.
- Eu adoraria!
- E meus defeitos? E se eu me machucar e lamentar novamente?
- Eu estarei aqui para não deixar que isso aconteça tão facilmente.
- Obrigado.
- E quanto aos meus defeitos? E se eu me tornar um monstro vazio?
- Eu serei a fonte dos seus bons sentimentos...
- Ficarei grato.
- E então? Você fica?
- Claro! E tem outro jeito?
- Não. Creio que não.

- Psiu! Amo você!
- Eu também te amo!

19 de fev de 2010

Mais um...


O ultimo da temporada...


***

Anda tão cego
apesar da graça da visão
Segue tão surdo
apesar da beleza de ouvir

Uma folha seca ao vento
Poeira no espaço
O lamento de um pássaro
Na chuva um cantar

Um verme na alma
Na esperança uma armadilha
Lagrimas na garganta
Vazio no coração

A companhia única
O medo maior
No caminho perdido
Sempre volta a solidão

Anda tão cego
apesar da graça da visão
Segue tão surdo
apesar da beleza de ouvir

***

15 de fev de 2010

Momento...


Deu vontade de postar essa letra, ja faz um tempo que não me sai da cabeça...

Apenas mais uma de Amor.

Eu gosto tanto de você
Que até prefiro esconder
Deixo assim ficar subentendido

Como uma idéia que existe na cabeça
E não tem a menor obrigação de acontecer

Eu acho tão bonito isso
De ser abstrato baby
A beleza é mesmo tão fugaz

É uma idéia que existe na cabeça
E não tem a menor pretensão de acontecer

Pode até parecer fraqueza
Pois que seja fraqueza então,
A alegria que me dá
Isso vai sem eu dizer

Se amanhã não for nada disso
Caberá só a mim esquecer
O que eu ganho, o que eu perco
Ninguém precisa saber


(Lulu Santos)

4 de fev de 2010

Hoje...


"Claro, o dia de amanhã cuidará do dia de amanhã e tudo chegará no tempo exato. Mas e o dia de hoje? Só quero ir indo junto com as coisas, ir sendo junto com elas, ao mesmo tempo, até um lugar que não sei onde fica, e que você até pode chamar de morte, mas eu chamo apenas de porto."



(Caio Fernando Abreu)

28 de jan de 2010

Tentativa de Soneto


Procurando por si mesmo, um dia
Diante de um grande e velho espelho parou.
Olhando-se interiormente, na contorcida face sentia
Que um olhar de brilho morto, o olhou

Solidão, agonia, frieza e terror. Ele via
Que nesse olhar amarelo se apagou
O brilho e o desejo da vida. Que parecia
Que um grande e terrível vazio lhe tomou

Olhar de monstro, bicho, fera
Certeiro, por um bote espera
Segue, como lince negro, seu instinto primitivo!

Olhar sem emoções. Sentimento enterrado
No entanto claramente trás no olhar injetado
Uma tendência obscura de ser vivo!


3 de jan de 2010

INTENSIDADE


“Tudo solto ou intenso?” Perguntou um amigo.

O ser humano é um animal triste que esta sempre a procura da felicidade e se a vida é feita de momentos, devemos vive-los intensamente, aproveitar cada segundo. Há os momentos felizes, os bons, os ótimos, os momentos ruins, os tristes, os difíceis e os necessários; e sim, há os perfeitos, que são raros. É difícil admitir, mas são os momentos mais difíceis que acabam nos ensinando alguma coisa, que nos fazem crescer, amadurecer e que trazem experiências. Seria então preferível viver sempre feliz, porem uma vida sem tropeços, sem crescimento, sem aprendizado, ser imaturo, ingênuo e limitado?
Devemos viver cada momento, intensamente, sugar toda a essência de vida que há neles, pois cada momento é único e o tempo não volta atrás.

E quanto aos relacionamentos pessoais? Até que ponto devemos amar intensamente? Até que ponto se entregar? Se envolver? Podemos escolher?
É preciso viver os momentos, os nossos momentos, não os dos outros. Procurar viverem todos as nossas vontades, sonhos e desejos, pois quando estamos realizados e felizes, todos ao nosso redor também sentirão.
O ser humano é animal solitário por natureza e é ridículo acreditar que vamos ter uma pessoa pra sempre ao nosso lado. As pessoas vêm e vão a nossas vidas, umas se demoram mais, outras menos, o valor que lhes atribuímos depende da intensidade com que nos tocam. É preciso deixá-las irem quando necessário e também, quando necessário, saber partir.

Às vezes nos culpamos, ao realizar certas vontades, por fazer sofrer, ao mesmo tempo, alguém que amamos. Será que somos realmente culpados? Temos essa culpa? Não podemos fazer todos felizes. Por isso digo: ame-se, sempre, mais que qualquer outra coisa, trabalhe e busque realizar todas as suas vontades e viva intensamente, pois tudo é permitido até o limite da liberdade alheia.

Creio que a resposta seja: Viva livremente e seja profundamente intenso!